sábado, 20 de abril de 2013

Tempo de mudar...

Os bons casais não veem prontos de fábrica. É preciso polir-los na lida diária da vida, à força do suor, de esforço, e muitas vezes de lágrimas. É impossível conviver saudavelmente sem um equilíbrio entre o dar e o receber. Se uma das partes é um mau doador, mas gosta de receber afeto, é provável que estejamos frente a um avarento afetivo ou um narcisista em potencial.

Quem fere você não o merece?!
Merecer significa "se fazer digno de". expressões como "entendo você, "aceito você" gosto de estar com você, seu amor é um presente.Quanta melancolia!

Vou contar-lhes uma estória;

Dizem que uma bela princesa procurava um marido, aristocratas e endinheirados senhores tinham chegados de vários lugares para oferecer-lhe o "dote" dentre eles variados, como joias, terras, exércitos e tronos. Este e mais outros eram o agrado a alguém tão especial. 
Entre os candidatos havia um plebeu que não tinha nenhum dinheiro e lhe disse: Princesa, eu  lhe amei toda a vida. Como sou homem pobre e não tenho tesouros, ofereço meu sacrifício por ti durante 100 dias, sem comer e beber, salvo se cair água do céu e comida e sem mais roupas das que visto agora.
A princesa comovida por tal gesto aceitou e disse: Você terá a oportunidade se passar na prova. E assim passaram-se as horas e os dias.
O pretendente ficou sentado, suportando o vento, a neve e as noites geladas. Sem pestanejar, com os olhos, fixo no balcão da amada, o valente vassalou seguiu firme em seu intento, sem desanimar por nenhum momento.
De vez em quando a cortina da janela real, deixava transparecer a esbelta figura da princesa, que com gesto nobre e um sorriso, aprovava empreitada. Tudo ia às mil maravilhas, inclusive alguns otimistas haviam começado a planejar os festejos. 
Quando chegou no 99 dia, os camponeses da redondeza haviam saído para incentivar o próximo monarca. Tudo era alegria e folguedo até que de repente, quando falta uma hora para o prazo terminar, frente ao olhar atômico do público e a perplexidade da infanta, o jovem levantou-se e sem dar explicação alguma, afastou-se do lugar.
Algumas semanas depois enquanto perambulava pela estrada isolado, um garoto do povoado o alcançou e perguntou-lhe à queima roupa. "o que aconteceu? Você estava a um passo de vencer o desafio, e por que perdeu a oportunidade?"
Muito consternado e com algumas lágrimas mal disfarçadas, respondeu em voz baixa: Ela não me poupou de nem um dia de sofrimento, sequer de uma hora.. "Não merecia meu amor".
O merecimento nem sempre é egolatria, mas a dignidade. 
Quando damos o melhor de nós para outrem, quando decidimos dividir a vida, quando abrimos o coração, desnudamos a alma, perdemos a vergonha, os segredos desaparecem, ao menos merecemos compreensão. 
Menosprezar, ignorar ou desconhecer friamente o amor que oferecemos generosamente é uma falta de consideração, ou no melhor dos casos, leviandade.
Não somos ovelhas para aceitarmos qualquer seita e se entregar como um cordeiro para o abate.
Defender um amor recíproco é aceitar que todos os seres humanos  são valiosos, inclusive você.
No mais profundo do ser, há uma fortaleza intocada, uma reserva moral inexpugnável que empurra você a renascer e a começar e recomeçar de novo.

.

Postar um comentário