quinta-feira, 25 de junho de 2009

Um oceano escondido



Uma espécie de rastro esfumaçado emitido por fissuras na superfície de Encélado, uma das luas de Saturno, tem dado o que falar entre os astrônomos. Dois estudos publicados na Nature desta semana indicam que esse vapor pode se originar de um oceano subterrâneo, embora um deles também aponte a possibilidade de que essa água seja doce e esteja sob a forma de gelo.

A existência de água líquida e salgada é um dos fatores essenciais para o surgimento de vida no universo. Os outros dois – a presença de uma fonte de energia e de determinados elementos químicos – já parecem existir em Encélado, de acordo com explorações anteriores. No entanto, é muito cedo para garantir que a lua de Saturno seja o primeiro lugar a abrigar vida extraterrestre.

As fissuras por onde o vapor é emitido ficam próximas ao pólo sul de Encélado e são responsáveis pela formação de um dos anéis de Saturno, o chamado anel “E”. Ou seja, o anel é formado pelo “rastro” de vapor deixado pela lua ao orbitar o planeta.

Sódio e oceano
Uma das pesquisas analisou grãos de gelo do material coletado pela nave espacial Cassini, que explorou o anel “E”. Liderado por Frank Postberg, da Universidade de Heidelberg (Alemanha), o grupo responsável pelo estudo descobriu que cerca de 6% dos grãos do anel continham alto teor de sódio. Também foram identificados outros sais, como bicarbonato de sódio.

Por ser altamente solúvel em água, o sódio é diretamente associado à água líquida. Como a lua de Saturno tem um núcleo rochoso, o contato direto da água com a rocha (rica em sais minerais) durante muito tempo saliniza a água. Assim, segundo Postberg, a substância encontrada nos grãos de gelo do anel “E” indica a existência de um reservatório de água salgada abaixo da superfície de Encélado.



A ilustração mostra como os sais minerais saem da crosta de Encélado. Na hipótese apontada por Postberg, o sódio e outros sais do núcleo rochoso do satélite são dissolvidos na água (setas amarelas), que então se evapora e é liberada como vapor e grãos de gelo através de fissuras (imagem: Nature).


“Também conseguimos inferir que o conteúdo desse reservatório tem pH básico”, relata o autor à CH On-line. “Esse cenário seria favorável à formação de moléculas orgânicas mais complexas e, consequentemente, de seres vivos.”

Já o outro estudo, conduzido pelo astrofísico Nicholas Schneider, da Universidade do Colorado (EUA), optou por analisar diretamente o vapor expelido pelas fraturas na crosta de Encélado, por meio de imagens telescópicas. Como, em sua forma atômica, o sódio reflete a luz do sol com bastante eficiência, detectar vestígios de sua existência, até mesmo em pequenas quantidades, é relativamente fácil.

Ao contrário dos resultados de Postberg, a quantidade de sódio que Schneider encontrou nos vapores de Encélado foi muito pequena. “Nossa descoberta descarta a hipótese de que um jato de vapor quente esguiche do solo a água de um oceano logo abaixo da superfície, pois nesse caso haveria sódio no vapor que analisamos”, argumenta Schneider em entrevista à CH On-line.

Divergências?
Mas será que os resultados diferentes encontrados pelos dois grupos realmente significam que eles são opostos? Na verdade, não. “Temos em comum a hipótese de um oceano profundo que evapora lentamente”, afirma Schneider. “Dessa forma, a água seria ‘destilada’ e perderia o sódio, por isso não teríamos encontrado evidências dele.”

O alvo da discordância entre os cientistas são as outras hipóteses para a origem do vapor levantadas por Schneider. Dentre elas, há a ideia de que a fonte do vapor de Encélado seja, na verdade, gelo. Nesse caso, um bolsão de sal próximo à superfície faria com que o sódio fosse expelido junto com o vapor. Mas Postberg refuta: “A sublimação de gelo criaria apenas grãos sem sal.”

De fato, Postberg e sua equipe não acreditam que o vapor de Encélado provenha de outra fonte que não água líquida. “Considero improváveis as outras possibilidades levantadas por Schneider”, diz. E completa: “De qualquer maneira, a água líquida é sem dúvida a possibilidade mais provável para explicar todas essas observações.”
Postar um comentário